Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Zanadu!

Crónicas de Timbuktu, Trevim e Lisboa (nos melhores dias)

Zanadu!

Crónicas de Timbuktu, Trevim e Lisboa (nos melhores dias)

Acerca dos Irmãos Karamázov

por Tiago, em 25.07.17

No fim de um livro como Os Irmãos Karamázov sinto-me sempre como aquelas anacondas que abocanharam uma gazela de 300kg e agora estão ali meio abananadas durante uns tempos até conseguirem fazer a digestão.

Na realidade foi o livro mais difícil de todos os que li de Dostoievski tendo em conta a sua enorme densidade e complexidade dos raciocínios expostos sobre temas essenciais como a Fé e a forma como pode ser reconciliada com um mundo onde a existência do Mal é evidente. É esta dicotomia que gera uma das mais interessantes passagens do livro: o capítulo do Grande Inquisidor onde é posta em causa a liberdade e o livre-arbítrio como causas fundamentais da infelicidade e da miséria humana. A Deus reencarnado é explicado que a Igreja tem corrigido esse defeito do Criador fazendo as escolhas pelo Homem; o final deste episódio é ambíguo e inconclusivo adensando de alguma forma a angst que domina o seu narrador, o irmão do meio, Ivan Karamázov.

De um modo geral, as personagens não sofrem evoluções drásticas ou alterações profundas do seu carácter como acontece, por exemplo, com a redenção de Raskólnikov em Crime e Castigo; com efeito, é um livro com pouca acção e poucos acontecimentos, quase como uma peça de teatro repleta de longos diálogos. Este traço é particularmente evidente no irmão mais novo, Aliócha (um noviço num mosteiro) que assiste, impávido e inalterado à morte e enxovalhamento do seu tutor e guia espiritual, à crise existencial do seu irmão Ivan e à morte do seu pai de forma brutal e violenta: nada parece fazê-lo questionar as suas crenças mais profundas; será esta a virtude da sua educação religiosa e de amor pelos homens?

É um estudo aprofundado e estarrecedor da psicologia dos personagens. Personagens barulhentas, desprezíveis, contraditórias, fragéis e brutais ao mesmo tempo. Talvez seja essa a maior riqueza deste livro a par dos episódios de índole existencialista ou religiosa.

 

Os Irmãos Karamázov e o seu pai.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

Links

Blogs