Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Zanadu!

Crónicas de Timbuktu, Trevim e Lisboa (nos melhores dias)

Zanadu!

Crónicas de Timbuktu, Trevim e Lisboa (nos melhores dias)

Acerca de viagens parvas pela galáxia

por Tiago, em 07.01.17

Por recomendação de vários amigos li finalmente aquele que é supostamente um clássico da ficção científica, a trilogia de 5 livros "The Hitchhiker's Guide to the Galaxy", adaptação escrita de uma comédia radiofónica transmitida pela BBC nos anos 70. Ora neste pormenor reside um dos maiores problemas do livro (livro aqui refere-se aos cinco volumes): não existe uma continuidade lógica na história e nunca deixei de ter a sensação que estava perante a colagem de textos dispersos sem uma ligação decente entre si.

Com este início já se compreende que não foi uma leitura especialmente interessante ou que recomende a alguém. Na verdade é óbvio ao longo de todo o livro que não existia um plano à partida para contar uma história, isto é, foi desenvolvido à medida do sucesso que encontrou junto do público. Este facto torna-se particularmente evidente no desenvolvimento das personagens que basicamente não existe, nunca descolando dos bonecos-tipo que são apresentados no primeiro livro e que, nessa primeira apresentação, até parecem ter algum potencial. Nesse sentido, o primeiro volume até é um livro que classifico de relativamente interessante e que parece montar alguma estrutura para se construir uma saga a partir daí: com efeito não é isso que acontece e os restantes 4 volumes são apenas chatos e entediantes.

Outro problema reside na tentativa por demais evidente de ter graça: se em alguns momentos resulta em alguns episódios cheios de non-sense e bastante divertidos, na maior parte das vezes é apenas um redondo falhanço. Para piorar ainda mais as coisas, o recurso aos mesmo chavões é repetitivo e torna-se realmente aborrecido.

Gosto de ficção científica no sentido em que no fim das viagens mirabolantes, acaba por nos fazer regressar à Terra e pensar no papel que temos no nosso próprio micro-cosmos e no lugar ínfimo da Humanidade no Universo. Não é o que acontece com este livro repleto de engraçadismo (como diria Pacheco Pereira) e non-sense chato, chato, chato.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

Links

Blogs