Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Zanadu!

Crónicas de Timbuktu, Trevim e Lisboa (nos melhores dias)

Zanadu!

Crónicas de Timbuktu, Trevim e Lisboa (nos melhores dias)

Acerca de Orgulho e Preconceito

por Tiago, em 02.03.16

Este post não poderia deixar de começar com um merecido louvor à belíssima livraria que pontifica na esquina da Calçada da Estrela com a rua da Bela Vista à Lapa. Nem sei bem o nome daquilo mas uma breve visita no intervalo de almoço foi o suficiente para lhe reconhecer o potencial de fazer mossa na minha carteira com as inúmeras edições a preço acessível e em capa dura, de folhas suavemente envelhecidas, de inúmeros clássicos dos quais saltaram à vista os Dostoievskis, Tolstois, os Gorkis mas também outros autores que ainda não tinha explorado como a Charlotte Brontë ou a Jane Austen.

Nesta visita trouxe, meio a contragosto, o "Orgulho e Preconceito" por uns muito competitivos 7€. E é precisamente pelo preconceito que se explica o facto de ter chega à provecta idade de 24 anos sem ler nada da sra. Austen. Com efeito, aquela Inglaterra vitoriana dos bailes, vestidos de folhos, o interior rural e bucólico, amores, desamores e pessoas com penteados esquisitos sempre me inspirou, logo à partida, o mais profundo tédio.

Numa primeira impressão, achei o livro bastante divertido o que vai muito contra o meu preconceito inicial: a fina ironia e crítica social de Austen faz-me lembrar um pouco a escrita do nosso Eça de Queirós, talvez num estilo mais subtil. O sr. Collins podia ser uma personagem de um qualquer romance do Eça espelhando a obsessão típica com a ascensão social e a possibilidade de subir na hierarquia, nem que para isso se tenha de prestar uma vassalagem ridícula e humilhante a personagens no mínimo desagradáveis como Lady Catherine, uma austera representante da nobreza de nariz empinado.

Tal era a minha ignorância acerca do livro que no início até me parecia que a protagonista seria Jane, a inocente irmã de Elizabeth e aí já estava a ver a coisa a descambar em tragédia de faca e alguidar. Receio infundado visto que depressa de percebe que é a encantadora Elizabeth a personagem principal em torno da qual se desenrola toda uma história de encontros e desencontros das irmãs Bennet com os seus potenciais pretendentes. É redutor reduzir o livro a um conjunto de romances visto que são abordados de uma forma contudente outros temas para além do casamento, com destaque para o dinheiro e as hierarquias sociais.

A personagem de Elizabeth é particularmente interessante quando consideramos que o livro foi escrito no início do século XIX; embora não seja aquilo a que se poderia chamar uma mulher independente e emancipada, Elizabeth não deixa ainda assim que sejam as convenções sociais a ditar a sua acção, sobrepondo a sua inteligência, perspicácia e determinação à conveniência de encontrar um marido e um casamento economicamente vantajoso.

Uma mulher em termos esta Elizabeth e, provavelmente, muito avançada para a época em que "viveu".

16 comentários

  • Imagem de perfil

    De Tiago a 03.03.2016 às 23:43

    Pois Jane Eyre era um dos livros que também lá andava perdido pelas estantes daquela jóia de livraria; na altura trouxe a Austen porque era um nome que me soava mais familiar (um critério espectacular para escolher livros, eu sei!). Mas se calhar agora era uma boa ideia passar lá e trazer a sra. Eyre já que, aparentemente, ando numa de bailes, carruagens e comédia associada xD
  • Imagem de perfil

    De Sara a 03.03.2016 às 23:52

    A Jane não tem nenhuma dessas três coisas xD
  • Imagem de perfil

    De Tiago a 04.03.2016 às 22:09

    Vou tratar de ler e depois logo vejo o que a Jane tem... Mas epa isso foi um bocado spoiler da tua parte xD
  • Imagem de perfil

    De Sara a 04.03.2016 às 22:32

    Era se eu tivesse dito o que havia no livro ou que acontecia...Só disse o que não tinha xD
  • Imagem de perfil

    De Tiago a 04.03.2016 às 23:26

    Raios, tens razão, assim é difícil argumentar contigo xD
  • Imagem de perfil

    De Sara a 04.03.2016 às 23:51

    A seguir é o Monte dos Vendavais...Quando se começa não se consegue parar!
  • Imagem de perfil

    De Tiago a 05.03.2016 às 12:20

    Já vi um bocadinho do filme há muitos anos, nem me lembro bem. É do mesmo realizador do Ben-Hur e do Roman Holiday :)
  • Imagem de perfil

    De Sara a 05.03.2016 às 14:26

    Nunca vi...Estão sempre a fazer adaptações - mas nunca vai ser tão bom como o livro! E a seguir ainda há mais - as bronte eram três irmãs e todas escritoras.
  • Imagem de perfil

    De Tiago a 05.03.2016 às 20:43

    Por acaso não concordo muito com essa teoria de que os filmes são sempre piores que os livros que lhes dão origem. Há bons e maus exemplos. Por exemplo o "Laranja Mecânica" do Kubrick é bem melhor que o livro do Anthony Burgess.
    Só conhecia (de nome) a Charlottë, não fazia ideia que as irmãs também eram escritoras :)
  • Imagem de perfil

    De Sara a 05.03.2016 às 22:03

    Eu geralmente não fico satisfeita e acabo sempre por arranjar defeitos ao filme xD especialmente quando não concordo com as cenas que ficaram de fora! Claro que vão aparecendo bons exemplos...Às vezes as adaptações acabam por se tornar mais conhecidas que os próprios livros. Gostei da Laranja, mas não se tornou dos meus livros preferidos.

    Charlotte era a mais velha (Jane Eyre entre outros), a seguir Emily (Monte dos Vendavais) e Anne (The Tenant of Wildfell Hall e Agnes Grey)
  • Imagem de perfil

    De Tiago a 06.03.2016 às 12:28

    Pois, como dizia um catedrático do futebol português, acaba por ser um bocado uma faca de dois legumes: se pensarmos, por exemplo, no "Guerra e Paz" as adaptações tendem a ser desilusões (por acaso agora tenho de arranjar tempo para ver o filme de 1956); mas noutros casos como o "Laranja Mecânica" ou o mesmo o "Ben-Hur" os livros são mais fraquinhos do que os filmes.
    Eu sabia que "Jane Eyre" e o "Monte dos Vendavais" eram da Brontte mas não fazia ideia que eram duas diferentes xD
  • Imagem de perfil

    De Sara a 06.03.2016 às 21:55

    As três valem a pena na minha opinião - A anne é mais parecida com a Austen (só li Agnes Grey) enquanto as outras duas têm um estilo mais datado (gótico), mas a histórias em si são um clássico de todas as eras - o que é incrível, se pensamos o quão difícil era para qualquer mulher publicar na altura (creio que as três assinavam com nomes masculinos). Em relação às adaptações não tenho muita experiência - a minha primeira tendência é fugir xD Mas vou ficar atenta...Essa livraria não conheço - já comprei em algumas das escadinhas do duque e mais por esses lados.
  • Imagem de perfil

    De Tiago a 07.03.2016 às 22:12

    Nem de propósito, hoje no trabalho lembraram-se que queriam ir a uma livraria; lá os levei a esta na Calçada da Estrela. No fim de muita volta, fui o único a trazer qualquer coisa, nomeadamente um tal de "Jane Eyre" (uma encadernação preciosa de capa dura em óptimo estado, folha amarelas, espectacular) e "Terra de Neve" do Yasunari Kawabata de quem também nunca li nada mas que me parece ser o meu estilo. Ainda andei para lá a pesar "Os Irmãos Karamazov" , "Werther" e "Monte dos Vendavais" tudo em edições bem catitas e em conta, mas pronto tinha de me decidir xD
    Imagino a família quando descobriram que tinham três escritoras em casa, é capaz de ter dado a sua confusão :)
    Para mim a melhor "livraria" de sempre era um vão de escadas ali para Arroios onde comprei o "1984" por 50 cêntimos; nunca voltei a ter um rácio qualidade/preço tão alto!
  • Imagem de perfil

    De Sara a 07.03.2016 às 23:12

    A minha edição da Jane também é de capa dura: azul com letras a dourado...Comprei na FL. Elas publicaram coisas em conjunto - os nomes masculinos, segundo Charlotte, era para os críticos não as julgarem segundo o género. Acho que a família eram apenas elas, um irmão e o pai. Foi tudo morrendo aos poucos - só sobrou Charlotte que morreu aos 38. Nunca comprei livros a 50 cêntimos - só a um euro. E quero muito os Irmãos Karamazov! Há muito tempo que não vou a Lisboa correr essas "capelinhas". Já li dois desse autor - não desgostei. Tem uma certa beleza nostálgica que é difícil de definir...
  • Imagem de perfil

    De Tiago a 08.03.2016 às 23:06

    Eu também acho que mais cedo ou mais tarde vou acabar por trazer os três volumes dos Irmãos Karamazov, já tenho saudades de um destes épicos à russa!
    Pois eu realmente dos excertos que li fez-me lembrar um bocado o Murakami, não sei se estarei errado ou não mas conto descobrir nos próximos dias :)
  • Comentar:

    CorretorEmoji

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Mais sobre mim

    foto do autor

    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D

    Links

    Blogs