Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Zanadu!

Crónicas de Timbuktu, Trevim e Lisboa (nos melhores dias)

Zanadu!

Crónicas de Timbuktu, Trevim e Lisboa (nos melhores dias)

Acerca de Orgulho e Preconceito

por Tiago, em 02.03.16

Este post não poderia deixar de começar com um merecido louvor à belíssima livraria que pontifica na esquina da Calçada da Estrela com a rua da Bela Vista à Lapa. Nem sei bem o nome daquilo mas uma breve visita no intervalo de almoço foi o suficiente para lhe reconhecer o potencial de fazer mossa na minha carteira com as inúmeras edições a preço acessível e em capa dura, de folhas suavemente envelhecidas, de inúmeros clássicos dos quais saltaram à vista os Dostoievskis, Tolstois, os Gorkis mas também outros autores que ainda não tinha explorado como a Charlotte Brontë ou a Jane Austen.

Nesta visita trouxe, meio a contragosto, o "Orgulho e Preconceito" por uns muito competitivos 7€. E é precisamente pelo preconceito que se explica o facto de ter chega à provecta idade de 24 anos sem ler nada da sra. Austen. Com efeito, aquela Inglaterra vitoriana dos bailes, vestidos de folhos, o interior rural e bucólico, amores, desamores e pessoas com penteados esquisitos sempre me inspirou, logo à partida, o mais profundo tédio.

Numa primeira impressão, achei o livro bastante divertido o que vai muito contra o meu preconceito inicial: a fina ironia e crítica social de Austen faz-me lembrar um pouco a escrita do nosso Eça de Queirós, talvez num estilo mais subtil. O sr. Collins podia ser uma personagem de um qualquer romance do Eça espelhando a obsessão típica com a ascensão social e a possibilidade de subir na hierarquia, nem que para isso se tenha de prestar uma vassalagem ridícula e humilhante a personagens no mínimo desagradáveis como Lady Catherine, uma austera representante da nobreza de nariz empinado.

Tal era a minha ignorância acerca do livro que no início até me parecia que a protagonista seria Jane, a inocente irmã de Elizabeth e aí já estava a ver a coisa a descambar em tragédia de faca e alguidar. Receio infundado visto que depressa de percebe que é a encantadora Elizabeth a personagem principal em torno da qual se desenrola toda uma história de encontros e desencontros das irmãs Bennet com os seus potenciais pretendentes. É redutor reduzir o livro a um conjunto de romances visto que são abordados de uma forma contudente outros temas para além do casamento, com destaque para o dinheiro e as hierarquias sociais.

A personagem de Elizabeth é particularmente interessante quando consideramos que o livro foi escrito no início do século XIX; embora não seja aquilo a que se poderia chamar uma mulher independente e emancipada, Elizabeth não deixa ainda assim que sejam as convenções sociais a ditar a sua acção, sobrepondo a sua inteligência, perspicácia e determinação à conveniência de encontrar um marido e um casamento economicamente vantajoso.

Uma mulher em termos esta Elizabeth e, provavelmente, muito avançada para a época em que "viveu".

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

Links

Blogs