Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Zanadu!

Crónicas de Timbuktu, Trevim e Lisboa (nos melhores dias)

Zanadu!

Crónicas de Timbuktu, Trevim e Lisboa (nos melhores dias)

Acerca da Era Dourada da Exploração Antártica

por Tiago, em 05.10.14

Após a conquista do Pólo Sul em 1911 pela expedição do norueguês Roald Amundsen, a travessia do continente Antártico surgiu como a última grande conquista polar ainda por reclamar. Foi nessa perspectiva que Ernest Shackleton liderou uma expedição que saiu com destino ao pólo pouco tempo após o eclodir da 1ª Guerra Mundial.

Uma das mais épicas e brutais aventuras de exploração e sobrevivência, talvez ao nível dos pioneiros dos Descobrimentos, começou quando o navio Endurance ficou preso no gelo do mar de Weddel. Impossibilitada de sair da situação asfixiante em que se encontrava, a tripulação passou o Inverno de 1915 num dos climas mais inóspitos do planeta. Eventualmente, o navio foi esmagado pela pressão do gelo e uma situação difícil tornou-se desesperante com a perda do único abrigo e meio de fuga. Apesar das contrariedades, Shackleton liderou a sua tripulação numa fuga em botes, através de mares traiçoeiros, até a um lugar remoto, isolado e inabitado conhecido como ilha do Elefante.

A salvação da tripulação dependia agora da capacidade de conseguirem atingir alguma estação baleeira e pedir ajuda; atendendo aos problemas de saúde e exaustão que assolava muitos homens, Shackleton escolheu 5 homens para o acompanharem numa tentativa desesperada de levar um dos botes até à Geórgia do Sul, situada a cerca de 1300km. Levando apenas mantimentos para duas semanas (Shackleton sabia que seria tempo suficiente para a travessia e que em caso contrário estariam irremediavelmente perdidos), com meios de orientação extremamente rudimentares, condições de mar desfavoráveis e desafiando todas as probabilidades, a tripulação atingiu a costa sul da ilha, dando corpo a um dos maiores feitos de navegação marítima da história.

Arrasados de cansaço, havia ainda a travessia terrestre da Geórgia do Sul para fazer de modo a pedirem socorro nas estações baleeiras situadas na costa norte da ilha. Uma travessia dificultada pela falta de um mapa e de quaisquer referências sobre a morfologia do interior do território. Após uma maratona de 36h que incluiu perigosas descidas e a travessia de uma cascata gelada, Shackleton e dois companheiros atingiam Stromness em segurança. Mais tarde, Shackleton escreveria sobre este feito: "I have no doubt that Providence guided us...I know that during that long and racking march of thirty-six hours over the unnamed mountains and glaciers it seemed to me often that we were four, not three."

Após algumas tentativas, dificultadas pelo mau tempo, foi salva a tripulação acampada na ilha do Elefante e os dois elementos exaustos que também esperavam auxílio na costa sul da Geórgia. O regresso a Inglaterra deu-se em 1917 sendo que por ironia do Destino, alguns dos elementos que sobreviveram a tão dura aventura, acabariam por morrer ainda nos combates finais da 1ª Guerra Mundial. As peripécias de tão inaudita e audaz façanha encontram-se imortalizadas em South, as memórias de Shackleton sobre esta expedição. A sua leitura integral é muito recomendada.

 

 Imagem da partida de Shackleton da ilha do Elefante e da tripulação que ficava acampada na expectativa do seu regresso com auxílio.

 

Acerca da verdadeira resistência

por Tiago, em 04.10.14

A maneira como a 2ª Guerra Mundial afectou a vida na Europa e as consequências terríveis que deixou são hoje sobejamente conhecidas. No entanto, vão-se ainda descobrindo pequenas histórias que dão uma nova luz sobre a acção de indivíduos no meio do terror generalizado. O indíviduo em questão é Gino Bartali, um lendário ciclista italiano e ícone máximo do país (a par do eterno rival Fausto Coppi), por força das suas vitórias no Tour de França (1938) e no Giro de Itália (1936, 1937). A história está contada no link abaixo e destaco apenas o essencial. 

 

“In 1943 Bartali, who had already won the Tour de France once and the Giro d’Italia twice, was assigned to the traffic police by the fascist regime, before leaving the job on 8 September. That was when he went underground, choosing to help persecuted Jews by smuggling identity photos to a convent that produced counterfeit papers.

“As far as the soldiers who guarded the road between Florence and San Quirico, near Assisi, were concerned, Bartali was merely on a 380-km training run. In fact, valuable documents were hidden inside the frame and saddle of his bicycle.”

Bartali remained modest about his actions, not even telling his wife. His own public comment was “Good is something you do, not something you talk about. Some medals are pinned to your soul, not to your jacket.”

 

 

Para mais informação: http://www.cyclingnews.com/news/bartali-honoured-for-saving-jews-during-the-holocaust

 

Acerca de colchas, coberturas ou simplesmente covers

por Tiago, em 03.10.14

Ao fim de 0.2s deste primeiro vídeo, os fãs mais encarniçados já terão reconhecido o som típico dos Capitão Fausto. É impressionante como conseguem pegar numa música relativamente obscura dos Xutos e dar-lhe uma roupagem tão característica mantendo no entanto a matriz do original. Agora fico a aguardar a versão de Prodigy com letra dos Xutos, referida no contexto da entrevista na Rádio Comercial a propósito do Marés Vivas.

Só o teu corpo é que me tenta

Mas adormeço se me deito com a morte lenta!

Eu não quero morrer devagar!

Eu não quero morrer devagar!

 

Periodicamente é referido o talento de António Variações como algo ímpar na música portuguesa; pessoalmente, a sonoridade muito datada das gravações originais afasta-me um pouco das suas canções. No entanto, projectos como os Humanos ou covers mais recentes de pessoas ilustres como Tiago Bettencourt (Canção do Engate) ou Gisela João (Anjo da Guarda) tendem a reaproximar-me de Variações. Além destas, destaco a abordagem meio punk, meio psicadélica tão típica dos Linda Martini que resulta em cheio em Toma o Comprimido.

 Você parece doente

Ou anda com a saúde ausente

Decerto tem a testa quente

O mal será desse dente

 

 

 

 

Pág. 2/2

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

Links

Blogs