Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Zanadu!

Crónicas de Timbuktu, Trevim e Lisboa (nos melhores dias)

Zanadu!

Crónicas de Timbuktu, Trevim e Lisboa (nos melhores dias)

Acerca do Monte dos Vendavais

por Tiago, em 14.01.17

Uma das leituras mais interessantes do ano passado foi, sem dúvida, "Jane Eyre" de Charlotte Brontë. Na altura fiquei impressionado com o retrato profundo e intrincado do desenvolvimento do carácter de uma personagem, com a forma como são retratados os dilemas morais e como isso forma uma história sobre o poder da fidelidade a princípios e ideais. Assim, e tendo em conta a impossibilidade estatística de duas irmãs poderem escrever tão bem, nem quis ouvi falar do "Monte dos Vendavais" ou de Emily Brontë. De qualquer modo, e por 5€ na Feira do Livro, lá comprei este último e coloquei-o debaixo de uma pilha de livros para ler primeiro. Mais de 6 meses depois de o ter comprado, lá acabei por ler, primeiro com alguma desconfiança e por fim deslumbrado com a intensidade e qualidade da história. Depois de alguma leituras falhadas como "The Hitchhiker's Guide to the Galaxy" (Douglas Adams) ou "A Guerra do Fim do Mundo" (Mario Vargas Llosa) foi bom voltar a sentir aquela vontade de acabar um livro e não o largar até conseguir.

A parte mais interessante foi a forma como o carácter de todos os personagens reflectem, de alguma forma, a geografia inóspita, agreste e rugosa das montanhas do norte de Inglaterra. É impressionante como mesmo a criada Nelly Dean, de alguma forma mais maternal e simpática, tem também algumas palavras mais rudes (e merecidas que a senhora era uma santa a aturar aquela gente toda!) dirigidas a vários personagens do livro. Isso recordou-me as palavras da autora no prefácio:

A obra é rústica de fio a pavio. Bravia, áspera e nodosa como a raíz da urze.

O livro é uma história de paixões acesas, personalidades vincadas, vinganças maquiavélicas e comportamentos indecorosos. Assim de cabeça, não me lembro de uma única personagem que não tenha uma nódoa no carácter e talvez seja isso que torna o livro tão interessante porque tudo está perfeitamente fundamentado e nada é gratuito. Uma parte divertida foi ler no final algumas opiniões sobre a obra e perceber que existe uma enorme discussão em torno do carácter do personagem principal Heathcliff, se é ou não um herói romântico que se deixa levar pelas suas paixões sendo que isso tolda a sua boa conduta: na minha opinião, o tipo é intrinsicamente mau, não há ao longo do livro nada que aponte noutro sentido, nenhuma ponta de altruísmo ou compaixão, apenas uma sede diabólica de vingança que contamina todas as outras personagens. Ainda assim é um vilão muito bem escrito, um livro altamente recomendável!

 

5 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

Links

Blogs