Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Zanadu!

Crónicas de Timbuktu, Trevim e Lisboa (nos melhores dias)

Zanadu!

Crónicas de Timbuktu, Trevim e Lisboa (nos melhores dias)

Acerca do inutilidade da compreensão

por Tiago, em 10.02.15

Há alguns dias falei aqui de uma música dos Arctic Monkeys onde se faz a apologia do aspirador como objecto metafórico utilizado para discorrer sobre as agruras do amor; agora, e numa filosofia radicalmente oposta, trago à liça uma música dos Sigur Rós chamada Popplagið que, aparentemente, é a expressão islandesa para "The Pop Song". Excepto para os leitores que me seguem desde a terra do gelo e do fogo e que se entendem com islandês (eu por mim ainda estou a tentar articular as 39 sílabas necessárias para pronunciar o nome daquele vulcão que deixou as linhas aéreas num caos), fica a possibilidade de se ouvir uma música sem perceber rigorosamente nada. Espaço apenas para as sensações que possam ser transmitidas por aqueles estranhos sons. Imaginem que são japoneses e estão a ouvir a Amália Rodrigues, deve ser quase a mesma coisa.

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

Links

Blogs