Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Zanadu!

Crónicas de Timbuktu, Trevim e Lisboa (nos melhores dias)

Zanadu!

Crónicas de Timbuktu, Trevim e Lisboa (nos melhores dias)

Acerca da (possível) falibilidade do imperativo racional

por Tiago, em 24.01.15

Na sociedade ocidental, cada vez mais secularizada, a fé na ciência substituiu para muitas pessoas a prática religiosa e empurrou as questões místicas do oculto para um papel largamente marginal na vida do comum dos cidadãos. Começou assim uma procura incessante e obsessiva por uma base racional para todos os aspectos da vida.

Lembrei-me disto a propósito do filme "Magia ao Luar" que, sem ser um filme vintage de Woody Allen, é ainda assim superior a 95% de todos os filmes que estreiam por estes dias. Conta a história de um mágico que faz do desmascarar de videntes e afins o seu hobby, até ao dia em que é finalmente enganado olimpicamente e passa a acreditar no oculto; mais do que isso, é surpreendido com a genuína felicidade que a impossibilidade de explicar o Mundo exclusivamente pela razão lhe traz.

O filme despertou uma questão que por vezes me coloco, especialmente nas alturas em que não tenho muito com que me ocupar como é manifestamente o caso: ao encararmos a vida num prisma estrita ou tendencialmente racional não estaremos a fechar a porta às ambiguidades e subtilezas que, por hipótese, constituem a verdadeira felicidade?

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

Links

Blogs