Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Zanadu!

Crónicas de Timbuktu, Trevim e Lisboa (nos melhores dias)

Zanadu!

Crónicas de Timbuktu, Trevim e Lisboa (nos melhores dias)

Acerca da improbabilidade das lantejoulas

por Tiago, em 06.05.13

Bastante fora de moda para a minha geração, Bryan Ferry funciona actualmente como uma espécie de cantor britânico com uma aura romântica que, tipicamente, é muito pouco inglesa.

Desde o cover de Jealous Guy até ao muito arrebatado Slave to Love o homem é de facto um grande intérprete. Além disso, é um tipo com olho para contratações, como o demonstra a sua actuação no Live Aid. Acho sempre óptimo um gajo que pensa “Epa precisava de um guitarrista pa dar aqui uma ajuda” e conclui brilhantemente “Ah já sei, conheço um tal de David Gilmour”.

Voltando atrás, aos tempos dos Roxy Music, Mother of Pearl é um resumo bastante apurado da imagem que tenho de Bryan Ferry: um rocker a sério com uma saudável queda para as baladas. Neste caso, depois de uma introdução com umas guitarras infernais, surge uma música completamente nova, com um ritmo pasteleiro, um refrão viciante e uma letra dúbia com algumas alusões ao consumo de…coisas.

Adensa-se assim o mistério da improbabilidade das lantejoulas: quem diria que pessoal com opções de vestuário tão questionáveis ia ter um gosto tão refinado para a música?

 

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

Links

Blogs